segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Educar na Curiosidade

Um livro imprescindível para recuperar a essência da infância e repensar aquilo que a natureza da criança reclama: o respeito pelos seus ritmos, a sua inocência e o seu sentido de mistério.

  • Como motivar as crianças, que apresentam um interesse e tempos de concentração cada vez menores?
  • Por que temos cada vez mais crianças impacientes e agitadas?

Catherine L’Ecuyer, investigadora sobre educação, explica neste livro que o exagero dos estímulos externos, sobretudo visuais, mesmo nos métodos de ensino, nas escolas, está a ‘matar’ o instinto de curiosidade dos miúdos, aquilo que os leva a descobrir o mundo.
A criança acomoda-se e deixa de ter a capacidade de se encantar e espantar.
Em alguns casos, a sua dependência da superestimulação fará com que procure sensações cada vez mais fortes, com as quais também se acostumará, o que a levará a uma situação de apatia permanente e de falta de desejo.

Planeta - 14,41€

O ambiente cada vez mais frenético e exigente em que está a afastar as crianças do essencial.
Em nome de um sucesso futuro achamos necessário sobrecarregá-las com um sem fim de actividades que estão a privá-las do lazer, da brincadeira livre, da natureza, do silêncio.
Em nome da tranquilidade deixamo-las entregues a imagens, sons e tecnologia avassaladores que anulam sentidos, perguntas e um sentimento fundamental: a curiosidade, que as conduz à maravilhosa aprendizagem de tudo o que há para descobrir pela primeira vez. 

«As crianças pequenas possuem um instinto de curiosidade realmente admirável e surpreendente diante das coisas pequenas [...] O barulho que faz o papel da embalagem de uma prenda, a espuma do banho que fica colada aos seus dedinhos [...] Esse instinto de curiosidade é o que a leva a descobrir o mundo. É a motivação interior da criança [...] Quando expomos uma criança pequena a estímulos externos, de tal maneira que estes superam a sua
curiosidade, anulamos a sua capacidade de motivar-se por si mesma.»


Catherine L’Ecuyer é canadiana radicada em Barcelona e mãe de quatro filhos. Tem um MBA da IESE Business School e um Mestrado Europeu em Investigação.
É consultora, investiga, escreve e dá conferências sobre temas educativos. Actualmente colabora com o grupo de investigação Mente Cérebro da Universidade de Navarra.
Em 2014 a revista Frontiers in Human Neuroscience publicou o artigo «The Wonder Approach to Learning», que reconhece o tema deste livro (editado em 15 países) como uma nova hipótese/teoria da aprendizagem. É também autora do livro, Educar en la Realidad, sobre o uso da tecnologia na infância e na adolescência.
O seu blogue tem perto de um milhão de visitas. 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Manipulação da Verdade

Dia 3 de Março, chega às livrarias portuguesas o livro «Manipulação da Verdade», de Eric Frattini, no qual o jornalista e analista político documenta e ilustra revelações surpreendentes referentes a operações de falsa bandeira desde finais do século XIX até aos nossos dias.

Entre o ataque a Pearl Harbor, o crescimento do regime totalitário alemão que espoletou a Segunda Guerra Mundial, a intervenção dos Estados Unidos da América em Cuba e o falso cibercalifado do ISIS, «Manipulação da Verdade» discorre sobre eventos vários ao longo das últimas décadas, todos relacionados com ataques, terrorismo e armas de destruição maciça, entre outras dezenas de episódios históricos.
De acordo com o Coronel Pedro Baños, no prólogo do livro, operações de falsa bandeira “são operações encobertas destinadas a culpar terceiros, (…) muito variadas, desde um atentado terrorista até um ataque efectuado por forças militares, passando por actos de sabotagem e subversão”. Este ex-chefe de Contra-informação e Segurança do Corpo do Exército Europeu de Estrasburgo afirma ainda sobre este tipo de manipulação: “trata-se de orientar a opinião
pública numa determinada direcção, quase sempre relacionada com uma entrada num conflito bélico (…). A forma mais frequente de conseguir essa mobilização dos cidadãos é através da demonização do inimigo (…). Para o conseguir, é habitual recorrer à guerra psicológica e à manipulação das massas.”

Bertrand Editora - 17,70€

Operações de falsa bandeira: do incêndio no Reichstag ao golpe de Estado na Turquia
Alguns dos acontecimentos mundiais mais importantes de que nos recordamos não aconteceram exactamente como nos foi dado a saber. As operações de falsa bandeira são tão antigas quanto a guerra, mas continuam a ser um método muito eficaz usado pelos Estados para manipular a opinião pública e justificar acções bélicas ou intervenções duvidosas. Do conveniente incêndio do Reichstag em 1933, orquestrado por Hitler, à recente tentativa de golpe de Estado na Turquia, Eric Frattini mostra-nos que nem tudo é o que parece.
A Manipulação da Verdade levanta o véu sobre as operações de falsa bandeira mais relevantes da nossa História recente, produto de uma investigação apurada e bem documentada, e apresenta-nos os factos como eles são.
Uma leitura urgente e essencial.

Eric Frattini foi correspondente no Médio Oriente e residiu em Beirute e Jerusalém. É autor de mais de uma vintena de livros, entre os quais se contam Mossad: Os Carrascos do Kidon, CIA - Joias de Família, O Labirinto de Água, Ouro do Inferno, Os Espiões do Papa, Cosa Nostra e Hitler Morreu no Bunker?. A sua obra está traduzida para várias línguas e editada em 47 países. Em 2013, recebeu o II Prémio Nacional de Investigação Jornalística (Itália) pela sua investigação do caso Vatileaks – trabalho que deu origem ao livro, já publicado em Portugal, Os Abutres do Vaticano – e o Prémio Anual Strillaerischia (Itália) pelo seu trabalho como correspondente no Afeganistão.
Realizador e guionista de dezenas de documentários de investigação para as principais cadeias espanholas de televisão, colabora assiduamente em diferentes programas de rádio e TV. Ministra frequentemente cursos e conferências sobre segurança e terrorismo islâmico a várias forças policiais, de segurança e inteligência de Espanha, Grã-Bretanha, Portugal, Roménia e Estados Unidos.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

O Que Faria Eu Se Estivesse No Meu Lugar

Este é um livro que não é uma entrevista, mas sim uma série de conversas sem guião, que vão tecendo o pensamento de António Lobo Antunes ao fio da cumplicidade criada com o jornalista e subdirector do Jornal de Negócios, Celso Filipe. Uma visão intimista de um de um dos maiores escritores da actualidade que ajuda a conhecer o homem que é escritor, a perceber o que o satisfaz e o atormenta, a descobrir as suas influências e embirrações, os amigos, as recordações, o método de escrita.

Um livro que nenhum leitor e admirador de António Lobo Antunes dispensará na sua estante.

À bolina e sem fronteiras pelo pensamento de um dos maiores escritores contemporâneos – a escrita e a posteridade vistas do lugar de uma amizade conversável.
Para memória futura.

Planeta - 16,10€

«Este não é um livro do António Lobo Antunes nem um livro sobre o António Lobo Antunes. É uma mistura de ambos, construído a partir de dez conversas que tiveram lugar entre Abril e Agosto de 2016. Quando o escritor me desafiou a fazermos um livro juntos, a tentação subsequente foi a de estabelecer um plano, cada conversa com um tema, por exemplo, a linguagem, a família, o amor, os amigos. A ideia caiu à primeira conversa. Começámos na metalinguagem e acabámos no lápis partido de George Simenon. Era impossível, absurdo, estúpido até, colocar margens no diálogo. A partir daí, o plano passou a ser não ter plano. Três, quatro, cinco perguntas preparadas e depois ir ao sabor do momento, procurando atravessar as portas que as palavras iam deixando entreabertas.» 

António Lobo Antunes é hoje o escritor português vivo com maior dimensão nacional e internacional no campo da Literatura. O livro inclui uma lista actualizada das obras e dos prémios literários do autor.

Celso Filipe nasceu em Setembro de 1964. Considera-se afortunado porque tem duas terras que o preenchem: Lisboa, de onde é natural, e Grândola, onde a sua vida começou a fazer sentido.
Empenha-se, embora de forma inconsequente, em seguir o lema de Agostinho da Silva: «não faço planos para a vida, para não atrapalhar os planos que a vida tem para mim».
Frequentou o curso de Comunicação Social da Universidade Nova de Lisboa. É jornalista desde 1986 e exerce actualmente o cargo de subdirector do Jornal de Negócios.

Já nas Livrarias!

O Segredo de Vesálio

Este viciante primeiro romance de Llobregat é uma descoberta literária.
O autor soube combinar com grande sucesso, doses certas de entretenimento, mistério, tragédia e intriga, com uma cuidada recriação histórica, que prende o leitor na primeira página e o mantém expectante até à última.
Frequentemente comparado com Carlos Ruiz Zafón, O Segredo de Vesálio apresenta-se como herdeiro dos grandes textos e personagens de Conan Doyle, mergulhando nos pilares fundamentais da ciência e da medicina e nas razões morais que os sustentam.
O romance é ambientado na Barcelona industrial de 188. Um antigo manuscrito do ilustre médico belga, André Vesálio, considerado uma das figuras universais mais relevantes da investigação médica e autor dum dos livros de anatomia mais influente da história da medicina, De humani corporis fabricaestá directamente relacionado com o mistério deste romance e pode mudar a história.

«Só através do engenho pode o homem viver eternamente.»
André Vesálio 1564. 

Planeta - 20,95€

Barcelona 1888: várias raparigas aparecem mortas… nada é o que parece e ninguém está a salvo do passado. Segredos, traições e paixões proibidas na Barcelona fascinante do fim do século XIX. Absorvente do princípio ao fim! Barcelona, Maio de 1888.
A poucos dias de se inaugurar a primeira Exposição Universal do país, aparecem os corpos horrivelmente mutilados de várias raparigas. As feridas lembram uma antiga maldição da cidade há muito esquecida. Daniel Amat, jovem professor residente em Oxford, recebe a notícia que o pai morreu em estranhas circunstâncias, o que o obriga a voltar a Barcelona após anos de ausência. A partir desse momento, ver-se-á arrastado na perseguição de um assassino desapiedado enquanto enfrenta as consequências do passado. Bernat Fleixa, jornalista do Correo de Barcelona, cujo único interesse é conseguir uma notícia que o torne famoso, e Pau Gilbert, um enigmático estudante de medicina, juntam-se a Amat na busca de um antigo manuscrito anatómico que pode mudar a história do conhecimento e que também é o principal objectivo do misterioso assassino. 

Jordi Llobregat, nasceu em Valência, em 1971, e é um apaixonado da história e da evolução
das cidades. Há vários anos mantém um vínculo especial com Barcelona, cidade da sua
família materna. Actualmente concilia a escrita com o trabalho à frente de uma empresa dedicada à realização de projectos de competitividade territorial e desenvolvimento local.
É co-criador do festival de romance Valência Negra. Participou em várias antologias e também faz parte do grupo literário El Cuaderno Rojo.
O Segredo de Vesálio é o seu primeiro romance. 

Já nas Livrarias!

Pequenas Ideias Antes de Seres Mamã - Ou Como Sobreviveres à Maternidade

Um livro divertido com muitas dicas para aprender a sobreviver à época mais feliz da nossa vida. Muito humor e ilustrações apelativas sobre a maternidade: um livro que antecipa cenários e dá dicas “de combate” para quem está prestes a ser mãe pela primeira vez.

Pequenas Ideias Antes de Seres Mamã - Ou Como Sobreviveres à Maternidade, de Bom&Bon
Planeta - 10€

«Ser mãe marca um antes e um depois na vida de uma mulher: altera horários, a relação com o parceiro, carteiras e sapatos, forma de cozinhar... É uma montanha-russa de emoções e transformações. Para arrancar um sorriso a todas as mulheres decidimos retratar a nossa vivência e a das mulheres que nos rodeiam, e partilhá-la, porque a vida e, sobretudo, as coisas boas, partilhadas sabem sempre melhor.»

Com a pressão para se ser uma super-tudo – mulher, profissional, dona de casa, mãe – a intenção deste livro é retirar essa pressão às futuras mães: «Antes de começares essa maravilhosa aventura em que estás a ponto de mergulhar, o melhor é saberes rir-te de ti mesma, das tuas inseguranças, dos teus medos, dos problemas que se avizinham...» 

Já nas Livrarias

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Star Wars - Academia Jedi

Mais um livro hilariante, em capa dura, do mesmo autor premiado de Darth Vader e Filho;
Darth Vader e a sua Princesinha; Boa Noite Darth Vader; e Darth Vader e Amigos. Jeffrey Brown é conhecido pela sua banda desenhada autobiográfica e pelas suas novelas gráficas humorísticas. 

Planeta - 14,39€

Primeiro livro de uma nova e muito divertida série de BD do aclamado autor Jeffrey Brown, best-seller do The New York Times.

Banda desenhada humorística, que transporta o universo Star Wars 
para uma escola de segundo ciclo. 
As aventuras e desventuras de um aluno não muito brilhante e algo 
trapalhão, mas que acaba por ter bom aproveitamento, que quer entrar na 
Escola Preparatória da Academia de Pilotos e não consegue, e acaba por ir 
para a Academia Jedi, dirigida pelo Mestre Yoda. 

Indispensável na biblioteca de qualquer fã da saga «Guerra das Estrelas». Um livro hilariante digno de ser lido por qualquer jovem padawan.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

O Coração é o Último a Morrer

Margaret Atwood, uma das mais aclamadas autoras mundiais, lança pela Bertrand Editora o seu novo romance, a distopia «O Coração é o Último a Morrer».
Margaret Atwood é conhecida pelas suas histórias de carácter futurista e especulativo, mas com uma fortíssima componente de actualidade, e nesta obra o enredo assenta sobre o desespero de pessoas comuns afectadas pela crise económica mundial. Nas palavras do jornal britânico The Guardian, que tão bem descreve este livro, «O Coração é o Último a Morrer» é «uma distopia clássica de Atwood que se transforma numa aventura selvagem e surreal que examina o auto-engano e o controle corporativo».

Bertrand Editora - 16,92€
(Encontra-se com 10% de desconto no site da editora)

Charmaine e Stan estão desesperados: sobrevivem de pequenos trabalhos menores e vivem no carro. Portanto, quando vêem um anúncio a consiliência, uma «experiência social» que oferece empregos estáveis e casa própria, inscrevem-se imediatamente. A única coisa que têm de fazer em troca é ceder a sua liberdade mês sim, mês não, trocando a sua casa por uma cela da prisão.
A princípio tudo corre bem. Não tarda, porém, a que Stan e Charmaine, sem o saberem um do outro, comecem a desenvolver obsessões apaixonadas pelos seus «alternantes», o casal que ocupa a sua casa quando estão na prisão. E, à medida que as pressões do projecto, a desconfiança mútua, a culpa e o desejo vão ganhando terreno, a experiência começa a perder a sua aura de «prece atendida» e a parecer-se mais com uma terrível profecia.

Sobre a Autora Margaret Atwood:
Margaret Atwood é uma das autoras preferidas das leitoras norte-americanas, de acordo com um inquérito da revista Oprah, da famosa apresentadora com um programa com o mesmo nome. É considerada uma das Twitters mais influentes do mundo, sendo também conhecidas as suas preocupações ambientais e paixão pela ornitologia, tendo uma marca de café – The Atwood Blend – amiga da natureza e dos pássaros. 

Além do lançamento deste livro, Margaret Atwood verá outras duas obras serem adaptadas à televisão. «História de uma Serva», publicado pela Bertrand Editora em 2013, estreia em abril, nos EUA, no formato de 10 episódios com Joseph Fiennes («A Paixão de Shakespeare»«FlashForward») num dos papéis principais.
Também Alias Grace – vencedor do Booker Prize – será adaptado ao pequeno ecrã, com Sarah Gadon (conhecida pela adaptação televisiva do bestseller «22.11.63» de Stephen King, também editado por cá pela Bertrand) como protagonista.
O elenco contará igualmente com Anna Paquin («Sangue Fresco»«O Piano») e Zachary Levy («Chuck»).